9 de ago de 2012

Mensagem de Luiz Silva, vinda de Paris

Meus caros: eis o comentario que enviei ao artigo de Artur Brito ( ver coluna OPINIAO) do jornal ASEMANA on line, sobre o Festival da Baia.
Abraços,
Luiz
O FESTIVAL DA BAIA IGNORA O PAPEL DOS EMIGRANTES NO SUCESSO DA CESARIA EVORA
O Artur devia ir mais ao fundo da questão e não se limitar à sua pessoa. Não tenho a intenção de criticar os organizadores mas não pode deixar de assinalar a ausência de pessoas importantes na carreira da Cesaria Evora. Para ser uma homenagem à Cesaria, primo, devia-se convidar os musicos, compositores, editores, jornalistas, representantes do movimento associativo na emigraçao,  patricios e estrangeiros que escreveram sobre a sua carreira em França e Navarra. E, também, pessoas que tanto em Cabo Verde como nos cantos da emigraçao, foram solidarios com ela nos momentos dificeis da sua carreira. Assim, dizia eu que os editores, Djunga de Biluca ( um 45 tours nos anos sessenta), Bana, Djô da Silva e Nante Juff, os compositores Paulino Vieira e o grupo que o acompanhou nos primeiros discos, o Morgadinho, o Nante Baiana, o Teofilo Chantre que ela interpretou com sucesso as suas musicas, não podiam estar ausentes. Como cantou o B.Leza e o Manuel d’Novas as familias destes dois grandes compositores deviam estar presentes e usar da palavra no Festival. Devia ainda o Municipio convidar os artistas da França que também benevolamente a acompanharam quando chegou em França,  aliàs alguns deles estão em São Vicente como o Jovino dos Santos, o Damião Mathias, o Eça Monteiro e outros. Esquecer a comunidade caboverdiana da França nesta homenagem à Cesaria, releva do pouco conhecimento da sua carreira musical.
Ha’ necessidade de se tranformar este festival numa verdadeira manifestaçao cultural onde não somente se exibe no placo mas que seja um lugar de reflexao e debates, com exposiçoes, debates sobre a cultura e o o desenvolvimento de Cabo Verde e em especial de São Vicente, que vive subjugado pelo centralismo do Estado de Santiago e aposta na regionalisção como factor  de democracia e desenvolvimento. Estar ou nao estar no palco  pouca importa mas o que interessa saber é se este festival serve à causa de São Vicente, participa na reflexao sobre o seu desenvolvimento,  acima dos bairrismos e projeta a Cesaria na historia cultural do Mindelo e de Cabo Verde.

Luiz Silva


Nenhum comentário: