21 de nov de 2011

ESTA INQUIETA POESIA

Esta inquieta poesia
Em cada aurora
Que cresce

Sol majestoso, seus
Afluentes em leque
São asas de pássaros

Andorinhas voando
Cortam
Meu ar

Canoro timbre
Doce é brisa
Na alma
Cantando…

Pétalas de fogo
Desabam no dia…

A, cravo-da-índia, cheira
A distancia

Silencio que queima
Na areia da praia

Murmuro com as ondas
O canto do mar.














Nenhum comentário: