23 de fev de 2011

DO LIVRO O AZUL E A LUZ


Tinhamos amado no vazio, e a serena

Luz poente diluindo na noite de pedra

Carregava um cheiro a magnólia, na

Nossa patética solidão de naúfragos.


Aurora de inquietação solar fui ao teu lado;

Na deriva cósmica dos meus pensamentos,

Beijei constelações de melancolia...


Na cegueira de um reencontro triste,

Desvaneci-me na ilha do meu sentir,

Naufraguei no frio dos teus beijos,

Terrivelmente, ausentes de luz.

Nenhum comentário: