4 de jul de 2010

RUA DO PARAÍSO


Na rua do paraíso:

Salta a noite da sua moldura de estrelas
Os postes de electricidade com seus fios
São jibóias assobiando no inferno
Um cão sarnento baixa pela rua coxeando
Um bêbado da vida engole o elixir da miséria,
Suas narinas, uma locomotiva bufando,
Toda a dor do mundo! …

Putas frenéticas em círculo,
Na praça esperam…

Caros com faróis potentes,
Dragões escarrando lume,
Tubo de escape de solitários,
Em busca de um fogo possível…

Automobilistas noctívagos
Buscam um regaço materno,
Édipo fornicando solidão
Paga trinta moedas,
Na rua do paraíso…

Foi “abolida” a escravatura!...
Para quando a prostituição­? …

Nenhum comentário: