18 de jun de 2010

Poema de saudade e esperança


Nesta manhã de verão frio em Basileia
Bátegas de chuva serpenteiam na vidraça,
Na varanda… rosas brancas, vermelhas,
E o meu sangue, sentem, o invisível da tua ausência…

Os pássaros, numa melodia triste, chilreiam
Num bosque de sombras quietas! …

Um inverno de solidão abafa a minha alma…

Mas ainda tenho os teus olhos de fogo
Na minha memória de relâmpagos
Que faz respirar em mim, o ar da tua ilha
Distante.

Um comentário:

Anônimo disse...

este poema é nostalgico mas é lindo.

um beijim bem grande