21 de mar de 2009

Poema de inquietação

Como Derviches sem equilíbrio
Vão bailando na miséria do Mundo
Saturno louco come seu filho
Num quadro negro de Goia

Meninas de batom-rouge,
Caninos de conde morcego
Putas no paraíso… sufocassem
Nos mercados do paraíso


As trinta moedas de Judas
Passando de mão em mão
Na terra dos trogloditas
Gravatas, fantasmas e crimes,
Tarântulas em teias de malvadez

Poetas enclausurados
Caixa de loucura
Vozes morrendo
Silêncio da lua ferida! …

Oh hienas adornados com flores! …
Escória de retórica imunda,
Navalha degoladora de crianças…
Girai!... Girai em vossas naves de
Gloria efémera…

Amanhã nasce de novo o Sol
Sete palmos de terra vossos palácios...

Montes de ossos em silencio, flautas
Olvidadas no deserto da memoria
Cloacas Pestilentas
Lagos de fermentação putrefacta
Vossa imortalidade pretendida!...
MAS EM VÃO….

Nenhum comentário: